Mundo Animal

Glaucoma em Cães: Quais são suas principais causas?

Glaucoma em Cães Quais são suas principais causas

Existem diversas causas que podem provocar o glaucoma em cães como, por exemplo, uma doença de base no cãozinho ou, então, um trauma que impede o funcionamento correto da drenagem no olho, que sofrem variações de acordo com o tipo de glaucoma. O desenvolvimento desse problema pode trazer consequências graves ao pet e, por conta disso, diferentes estudos na literatura buscam formas de prevenir a lesão.

Comum também em humanos, o glaucoma é uma condição na qual há alterações na pressão do olho, responsável por provocar diferentes mudanças na visão do cão. Quando suas causas e sinais são identificados de forma precoce, seu tratamento se torna eficaz e evita qualquer consequência negativa ao seu pet.

Glaucoma em cães: o que é?

O glaucoma em cães é uma doença provocada pela degeneração de estruturas nervosas dos olhos. Esse problema acontece quando a pressão intraocular do animal aumenta, fato este causado pelo acúmulo do líquido conhecido como humor aquoso.

Glaucoma em cães o que é
Fonte/Reprodução: original

Esse líquido é criado pelo corpo todos os dias e tem a função de manter o formato adequado dos olhos junto com o bom nível de pressão e, depois, é eliminado. No entanto, caso o humor aquoso esteja alto demais, a pressão intraocular se eleva tanto que o fluxo sanguíneo ocorre com maior dificuldade.

Com isso, danos na estrutura dos olhos começarão a aparecer e, no decorrer do tempo, a condição pode levar à perda total da visão do cachorro. Esse acontecimento é uma das causas mais comuns de cegueira irreversível, visto que boa parte dos cães que são diagnosticados com o glaucoma podem perder a visão tempos depois.

Tipos de Glaucoma em Cães

Existem diferentes versões de glaucoma em cães, o que é responsável por não permitir uma única forma de tratar do problema. Apesar das variações, existem 3 formas diagnosticadas com mais frequência e que necessitam de maior atenção por parte dos donos para evitar o desenvolvimento do problema no cãozinho.

Por ser uma condição perigosa, é preciso que o dono esteja atento para verificar possíveis sinais do problema e evitar que o cachorro chegue no estágio em que as consequências são irreversíveis.

Glaucoma primário ou de ângulo aberto

O glaucoma primário, também chamado de ângulo aberto, é a condição na qual os poros dos olhos que realizam a drenagem são angulados ou menores. Esse problema dificulta a eliminação do líquido e costuma atingir os dois olhos do cãozinho na maior parte dos casos.

Acontece que esse tipo de glaucoma é bastante problemático porque é assintomático em boa parte do tempo. Quando as sensações começam a surgir, significa que o problema está em um estágio avançado, o que dificulta o tratamento com antecedência que o glaucoma exige para ser solucionado com garantia de sucesso.

Entretanto, os exames, quando são feitos, costumam mostrar com certa facilidade os sinais que o médico-veterinário precisa para estabelecer o grau do problema. Por fim, a origem dessa condição é hereditária, sendo necessário verificar se a raça do cachorro possui histórico de glaucoma.

Glaucoma secundário ou de ângulo fechado:

O glaucoma secundário, por sua vez, se trata da morte das células do nervo óptico junto com a retina causada por fatores externos que impedem a drenagem correta do líquido. Coisas como inflamações, batidas e coceiras, por exemplo, podem gerar lesões que impeçam o humor aquoso de ser drenado adequadamente, aumentando assim a pressão intraocular.

Glaucoma congênito

Por fim, o glaucoma congênito é causado pela má formação dos sistemas de drenagem, juntamente do funcionamento inadequado. Esse problema tem origem através da genética e é o mais agressivo dentre todos os outros por não ter tantas formas de tratamento disponíveis. É vista em filhotes e uma das características mais fáceis de notar é a córnea que assume uma coloração branco-azulada.

Todas as versões de glaucoma apresentadas, quando não tratadas adequadamente e com antecedência, podem levar o cachorro à cegueira. Logo, é preciso compreender com muito cuidado os principais fatores que podem causar esse problema para combatê-lo com consciência e com a devida garantia de auxiliar a qualidade de vida do seu cãozinho.

Principais causas do glaucoma em cães

Por conta da grande incidência de casos, é preciso conhecer os principais motivos de glaucoma em cães para evitar que eles desenvolvam a cegueira. Quanto mais cedo esses sinais forem identificados e tratados, mais fácil será garantir a qualidade de visão que seu cãozinho merece!

Anormalidades anatômicas

Alguns cachorros nascem com a formação ocular anormal, o que implica diretamente em uma drenagem mais complicada do humor aquoso. Na maior parte dos casos, ocorre alguma anormalidade na formação do ângulo da câmara interior e é um dos motivos pelos quais os caninos desenvolvem a doença.

Doenças oculares pré-existentes

Caso o cachorro já tenha a presença de doenças oculares como alteração da coloração ou catarata avançada, por exemplo, são fatores que podem contribuir para criar as condições necessárias ao desenvolvimento do glaucoma. Por isso, observe se o seu cachorro já apresenta problemas na visão e leve-o imediatamente ao veterinário para evitar que o quadro tome proporções indesejadas.

Trauma ocular

Os traumas são causas muito comuns de glaucoma em cães, já que se tratam de inflamações ou ferimentos na região dos olhos. Geralmente, esses problemas são causados quando o cachorro faz atividades que expõem a região a possíveis machucados, como ir ao mato para brincar com galhos e outros elementos do local, por exemplo.

Raças predispostas

O fato de algumas versões do glaucoma em cães possuírem caráter hereditário significa que determinados cachorros podem herdar a condição de seus ancestrais. As raças mais afetadas pelo glaucoma são os chihuahua, poodle, beagle, schnauzer gigante, maltês e o pastor alemão.

Sinais e Diagnóstico

Os sinais do glaucoma em cães só podem ser identificados após um tempo, já que a doença é assintomática nos primeiros períodos. Quando ela começa a chegar em um estágio mais agudo é que os sinais iniciais começam a aparecer e incomodar o cachorro.

Por conta da variedade de tipos de glaucoma existentes, é preciso se atentar para qualquer sinal demonstrado, já que não existe uma única forma de tratar o problema. Entenda os principais sinais fornecidos pelo cachorro na lista abaixo:

  • Dor ocular;
  • Olhos lacrimejando;
  • Vermelhidão;
  • Sensibilidade à luz;
  • Pupilas dilatadas.

Vale comentar também que existem alguns casos de glaucoma em cães nos quais o globo ocular cresce devido ao aumento de pressão que gera o rompimento das fibras de colágeno da esclera. Quando isso ocorre, geralmente, também acontecem danos irreversíveis ao olho junto com o deslocamento de retina.

Dado isso, é necessário observar se a raça do seu cãozinho já apresenta predisposição a desenvolver o problema. Posteriormente, é preciso manter atenção para detectar a presença dos sinais mais comuns de quando o glaucoma está em um estágio mais avançado.

Métodos de diagnóstico

O diagnóstico do glaucoma em cães ocorre através de aparelhos apropriados para verificar as condições do aparelho ocular. Dessa forma, é possível observar os dados característicos do problema e, junto a isso, verificar o estágio no qual aquele glaucoma se encontra.

A primeira forma de identificar é através do tonômetro, que consegue avaliar a pressão intraocular do olho do cão. O outro método é chamado de gonioscopia, no qual se posiciona uma lente com espelhos capazes de mostrar o ângulo iridocorneano, responsável pela drenagem do humor aquoso e, consequentemente, controle da pressão intraocular.

Com a gonioscopia, inclusive, é possível perceber se o cão apresenta alguma predisposição para desenvolver o quadro de glaucoma. Outro destaque, por sua vez, vai para a oftalmoscopia que, através do oftalmoscópio ou lente de 20 dioptrias, consegue estudar a atenuação dos vasos sanguíneos junto de escavações ópticas.

Por fim, existem outros dois métodos como ultrassonografia e eletrorretinografia. Na primeira, é possível obter uma visão detalhada do tamanho das estruturas do olho do cão, o que permite detectar a presença de anormalidades nelas. A eletrorretinografia, por sua vez, é o exame que consegue detectar as respostas das células da retina quando submetidas à luz.

Tratamentos do Glaucoma em Cães

A variedade dos tipos de glaucoma interfere diretamente na forma que será escolhido o tratamento do problema. Portanto, dado os tipos da condição, existem 3 formas de cuidar do glaucoma e cada cachorro terá um tratamento adequado de acordo com as condições que seu quadro apresentar.

Abordagens medicamentosas

As abordagens medicamentosas são as primeiras opções para retardar a perda de visão que será ocasionada com o desenvolvimento do quadro do glaucoma. Os colírios são os mais conhecidos justamente por controlarem a produção do humor aquoso e, junto a esses medicamentos, existem os analgésicos e anti-inflamatórios para diminuir as dores oculares.

Caso você deseje colírios com a qualidade ideal para tratar o seu cachorro, a melhor opção é contar com a DrogaVET. Junto a isso, também oferecemos a possibilidade de, com a receita do medicamento fornecido pelo veterinário, entrar em contato conosco para solicitar um manipulado adequado a fim de tratar o seu cãozinho de maneira prática e confortável para ele.

Procedimentos cirúrgicos

Os procedimentos cirúrgicos são as formas de tratamento do glaucoma utilizados em casos de não funcionamento do tratamento com os medicamentos ou para versões mais graves da doença. O objetivo da cirurgia, por sua vez, é fornecer alívio, controlar a produção ou drenagem do humor aquoso e, desse modo, preservar a visão do cãozinho.

Tratamentos a laser

Quando se fala de tratamento a laser para glaucoma em cães, o principal destaque vai para os processos que reduzem a produção de humor aquoso. Portanto, a ciclofotocoagulação a laser é a escolha ideal, já que este procedimento utiliza o laser na região que produz o humor aquoso para diminuir a criação do líquido e, consequentemente, reduzir a pressão intraocular.

Existem duas variações utilizadas para o controle do glaucoma que é o neodímio e o diodo. Todas as duas utilizam ondas infravermelhas em uma intensidade adequada para se transmitir através da esclera e realizar a diminuição da produção do líquido.

Prevenção de Glaucoma em Cães

Para a prevenção do glaucoma em cães, é necessário observar atentamente os sintomas e buscar um oftalmologista veterinário para acompanhar o desenvolvimento do quadro. Junto a isso, é preciso adotar alguns métodos que tratam melhor as lesões causadas na região ocular.

O fato da doença poder ser passada geneticamente e se desenvolver de maneira gradual torna necessário que o dono invista nas consultas regularmente para identificar os sinais do glaucoma no estágio inicial. Assim, é possível tratar estes sinais com mais eficiência e evitar que o cão tenha a visão comprometida.

Prevenção de Glaucoma em Cães
Fonte/Reprodução: original

Outra recomendação é tomar cuidado com os locais nos quais o cachorro vai brincar para evitar que ele tenha contato com agentes que possam causar inflamações nos olhos. Por fim, caso você resolva utilizar um dos métodos cirúrgicos, escolha cuidadosamente os profissionais que vão cuidar da etapa e não esqueça de pedir orientações para cuidar do cachorro adequadamente no pós-cirúrgico.

O glaucoma em cães é um problema que exige muita atenção por parte dos donos dos caninos para garantir uma boa qualidade de vida a eles. Para cumprir com essa missão e poder fornecer o melhor ao seu cão, conte sempre com a ajuda dos manipulados feitos pela equipe da DrogaVET!

Veja outros artigos nas mesmas categorias:

Deixe um comentário