Artigos

Esporotricose: o que é, como tratar e prevenir

A Esporotricose é uma doença crônica e esporádica causada por um fungo, presente no solo e na vegetação. Pode afetar diversas espécies de animais, incluindo cães e gatos e ainda pode ser transmitida ao ser humano, por isso é imprescindível ter alguns cuidados.

Quer saber ainda mais sobre a esporotricose? Continue a leitura!

Afinal, o que é a esporotricose?

A esporotricose, também conhecida como doença da roseira, é causada por um fungo, chamado Sporothrix spp.

Existem três fases distintas de acordo com sua progressão:

  • Cutânea localizada: caracterizada por lesões nodulares avermelhadas individuais ou múltiplas na pele do animal.
  • Cutânea linfática: quando a infecção progride formando úlceras na pele e atinge o sistema linfático do animal.
  • Cutânea disseminada: quando a doença atinge um estado tão grave que todo o organismo do animal fica afetado. As úlceras de pele tornam-se cada vez maiores e pode ocorrer a forma extra-cutânea, acometendo outros sistemas como articulações, ossos, pulmões.

É uma doença terrível, que pode acometer diversas espécies de animais, incluindo cães e gatos. Além disso, já foi descrita em equinos, bovinos, suínos, camelos e primatas. É também uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida de animais para humanos.

Os gatos são os mais suscetíveis à infecção, com evolução da doença de forma mais grave do que nas outras espécies, e podem disseminá-la para os seres humanos por razão da grande quantidade de Sporothrix spp. encontradas nas lesões destes animais e, principalmente, nas unhas e na cavidade oral. Em cães e equinos, é raramente encontrada.


(+) Veja mais: Leucemia felina: como prevenir, identificar e tratar


O agente da doença, o próprio fungo, geralmente entra no organismo por meio de uma ferida na pele ou por pequenas lesões. Os principais locais onde são encontrados esse fungo são em plantas, nas cascas de árvores e espinhos, aproveitam estes locais para se proliferarem ao causar pequenos cortes nos bichanos que gostam de passear e brincar de arranhar árvores em jardins, assim facilitam a transmissão, que pode ocorrer também através do contato com objetos ou ambientes contaminados.

Regiões tropicais e sub-tropicais tem maior incidência de casos de esporotricose, pois o fungo precisa de umidade aliado à altas temperaturas para se replicar.

Como evitar

As formas de controle e prevenção da esporotricose devem ser baseadas na adoção de medidas higiênico-sanitárias visando reduzir os riscos de transmissão do fungo para outros animais e até mesmo os humanos. Assim, os animais doentes devem ser mantidos em isolamento e tratamento até a total cura clínica. Além disso, deve-se evitar o acesso de animais sadios e doentes a ambientes externos, evitando assim o contato com outros animais e com o ambiente que poderá estar contaminado com o fungo. Veterinários e pessoas que manuseiam gatos infectados estão sujeitos a contrair a infecção. Portanto, recomenda-se o uso de luvas descartáveis ​ao manusear gatos com qualquer tipo de nódulo ou úlcera na pele.


(+) Veja mais: Gripe dos Gatos: entenda sobre


Vale lembrar que o gato é a espécie mais acometida e principal responsável pela transmissão, então ser um tutor responsável e controlar o acesso do seu bichano a ambientes externos, visitar de forma regular seu veterinário ou ao notar algum sintoma suspeito com certeza farão a diferença.

Sintomas da esporotricose

Nos animais, a forma mais comum da doença se manifestar é a cutânea. Geralmente aparecem lesões na pele e também em outras regiões como mucosas, pulmões, ossos, articulações e sistema nervoso central. As lesões na pele, chamadas de cancro esporotricótico, surgem principalmente na região da cabeça e nas extremidades das patas. Geralmente são feridas de forma nodular e avermelhadas que não causam dor e nem coceira, mas que costumam ser graves, pois não saram com antibióticos, pomadas ou qualquer outro tratamento convencional.

Alguns sintomas sistêmicos podem surgir como fraqueza, anorexia e febre. Nos cães e em humanos podem ocorrer também aumento dos linfonodos (gânglios).


(+) Veja mais: Doenças hormonais em gatos: entenda sobre


Como diagnosticar

O médico veterinário poderá avaliar pelo histórico do animal e se o mesmo tem acesso livre a ambientes externos. Porém, somente exames de citologia, cultura de fungos ou ainda biópsias das lesões podem concluir o diagnóstico.

Tratamento da esporotricose

O tratamento da esporotricose é um processo demorado, podendo levar alguns meses para que o animal esteja curado e deve continuar entre três a quatro semanas mesmo após a cura aparente. Podem ser administrados antifúngicos orais e, em caso de infecções secundárias, antibióticos. Importante ressaltar que o tratamento deve ser realizado apenas com acompanhamento do médico veterinário, ainda mais nos casos de esporotricose em gatos, pois eles são sensíveis a diversos medicamentos e a avaliação prescrição e dosagem devem ser realizadas por um profissional.

Manipulado DrogaVET

Tutor, os medicamentos manipulados trazem mais praticidade, comodidade e economia, além de garantir um tratamento descomplicado, divertido e eficaz para o animal. O Manipulado DrogaVET® está presente há mais de 14 anos no mercado, promovendo pesquisas científicas e atuando em prol da saúde animal e a conscientização do cuidado com nossa fauna

Se o seu PET estiver precisando de algum medicamento, conte com a gente! Entregamos diretamente em sua casa.


(+) FAÇA SEU ORÇAMENTO – RÁPIDO E FÁCIL! Clique aqui


 

Acesse o canal DrogaVET no Youtube!

VEJA MAIS E SE INSCREVA NO CANAL: DrogaVET – Saúde Animal

 

Veja outros artigos nas mesmas categorias:

Leave a Reply